Uma Imagem Vale Por Mil Palavras, Mil Caracteres Uma Imagem

rubrica

Caminho em direcção a um destino, todos dizem, previsível. Não tenho certezas. Sempre as tive no passado. Percorro estas calçadas há pouco tempo. Embrulho as dores da voz neste pedaço de pano que me agasalha pescoço e alma. Estou protegida, pelo menos do vento cortante que sopra do lado escuro desta terra inóspita. É uma cidade feita de pedra antiga, fria e de ruas íngremes e mortíferas. As minhas pernas desabituaram-se de fazer estrada… Levo, tenho de levar, todos dizem, a mala que carrega a esperança de um desfecho diferente. Agarro-a como quem se agarra à vida. Envolta agora em sombras (nunca assim foi), trilho agora estas ruas desenhadas a preto e branco na minha cabeça. Olho para o chão, enquanto caminho, não vejo que para haver sombras tem sempre de haver luz. Como numa fotografia. Aparece-me como um mundo estranho. Como a vida de uma estranha. Um mundo, uma vida estranha e infame pela injustiça que vivo e vejo. Que pedido despudorado me fazem! Não se pede a um moribundo que administre ele próprio a última dose que o matará!

<Texto de Guilhermina Rebocho Para Imagem de Paulo Pimenta>