Uma Imagem Vale Mil Palavras, Mil Caracteres Uma Imagem

rubrica

A pele enrugada, como um pergaminho, gasta pelo tempo e pelos sorrisos e pelas lágrimas..
A sapiência intrínseca às vivências e às inúmeras “fotografias” tiradas pela objetiva da íris, registadas num local indelével na memória.
Aquela paciência e acalmia nos gestos que só se ganha nos anos, nos tropeções da vida que muitas vezes deixam feridas que não saram e outras vezes que trazem cicatrizes transversais a toda a existência. Quando observamos o olhar dela conseguimos ver tantas vidas num só instante. Tantos momentos que ficaram presos, suspensos num qualquer dia, mas que vivem com ela, dentro dela. O caminhar já não é apressado, a forma como pega nos objetos é frágil e ainda assim, firme. Ela é assim, segura de si, com um olhar anciano que tem, em simultâneo, a leveza do ser, mas o peso do tempo. O tempo…
O tempo.
É absolutamente necessário e, no entanto, fica parado em nós, dentro de nós. Dentro dela. Fora dela. Envolto na sua essência. Agarrado ao seu silêncio na forma como prime os lábios finos e engelhados um no outro, como franze o sobrolho com toda a sabedoria do mundo num só instante…

<Texto de Andrea Alberto para Imagem de Paulo Pimenta>