Uma Imagem Vale Mil Palavras, Mil Caracteres Uma Imagem

rubrica

Vai rápida a ponto do corpo inclinado, como se quisesse adiantar a parte de cima. Na cabeça está o almoço por fazer, o remédio da farmácia, a vizinha que sofre dos rins. Seus problemas não são seus. Mãe, tia, esposa, amiga da missa de domingo. Ela é de outros. Porque disseram que seria, e até acha bonito isso de se dar. Mas mesmo quando está assim, sola, quando devia ser de si, ou de ninguém, só dos passos que dá, ainda assim não consegue deixar de ser posse. Anda com olhos distantes, a bolsa junto ao corpo, numa rigidez de não deixar cair, de quem faz malabarismo com o peso que tira dos outros. O lenço, uma moldura, mostrando somente o necessário para se manter os passos em lúcido. Sua presença é de poucos, dos poucos que a têm profunda. Pensa estar atrasada, na lista à seguir vem o filho mais velho, a nora grávida, precisam de ajuda para pensar a vinda do pequeno. Corre para não se atrasar, está sempre correndo para não se atrasar e, no entanto, nunca se atrasa. Na vida de ser os outros anda pelas ruas, fora das ruas. Passou e ninguém a viu, nem mesmo ela.

<Texto de Flavia Six Para Imagem de Paulo Pimenta>