Uma Imagem vale Mil Palavras, Mil Caracteres Uma Imagem #22

rubrica

De passo apressado segues escondida na sombra.

Ao redor, luz

A cidade à noite.

Vozes ao longe

Carros que ainda se atropelam.

Despacha-te que te molhas.

O xadrez que trazes não te protege do frio indiferente

A chuva – aos riscos claro – fere-te o rosto em modo de fanecos de gelo.

Puxa para ti o lenço.

Sente-lhe ainda a réstia do perfume da manhã,

Traçado agora pelo fedor de um autocarro cheio

De gajos a coçar o que acham que os faz machos.

Mulheres esgotadas pelos negrumes que envergam

Os filhos atrelados em mochilas cheias de lições nenhumas.

Elas sem garbo, os putos vazios, os tipos de nada na mão.

E tu, escondida em ti, sem que te saibam.

Agarras com força, na carteira usada,

O soldo do mês, escasso.

Quantas horas suaste por ele?

Dias sumidos a limpar a merda dos outros

A criar os filhos dos outros

A engordar as bestas dos outros.

Atravessas a rua

Chegaste.

Às escuras, trilhas a distância do corredor.

Da janela da sala espreitas o fim, lá fora

Tiras os sapatos.

O xadrez no chão, a carteira atirada.

Escorre-te pelos ombros o lenço de seda que te lembra que és Mulher

<caracteres de Mónica Silva para Imagem de Paulo Pimenta>