Uma Imagem Vale Mil Palavras / Mil Caracteres Uma Imagem – #2

memorias paulo pimenta
Entregas destas já não são comuns. Amélia seguia pelo caminho de sempre, de pedras polidas pelos diferentes ciclos da vida. Visitava o seu Francisco havia 5 anos todos os sábados de manhã, no sector 24 do Cemitério do Prado do Repouso. Sempre que lá entrava pensava que tinham escolhido muito bem aquele nome. Ali descansava. Ali contava ao seu amigo-amante a semana. Ali sorria com ele, como no jardim que percorriam ao sexto e sétimo dia, onde se aconchegavam nos bancos de madeira. Amélia não deixou as rotinas, apenas lhes diminuiu o ritmo. Continuava a proteger os cabelos do vento com os lenços comprados na loja da sua rua, continuava a comprar o pão que tanto gostavam na padaria ali ao lado e continuava a passar na florista da melhor amiga, de onde trazia as margaridas para pôr a casa mais bonita. A sua casa e do seu Francisco. Agora tinha duas casas. Nunca na sua vida pensou que teria de se ocupar de duas casas. Fatalista e incomum Amélia, cujos olhos nunca consegui ver, fazia-o, como em tudo, por amor à vida.

(Mil Caracteres de Patrícia Sanroque, a partir da imagem de Paulo Pimenta)