Uma Imagem Vale Mil Palavras, Mil Caracteres Uma Imagem – #12 Copy

 

memorias paulo pimenta

Meu amor, sei que duas palavras assim juntas numa são comuns de insensatez. Gritam os três filhos e a vida para onde vais sem mim. Não me ocorre nada a não ser clamar o que sente o poeta ao ver uma Leonor. E dizer-te “Meu Amor”, quando durante anos te privei do teu. Feliz, tu, sempre, entre a terra e o Porto.

Quem te apanhou na rua chamou-te Memória. Só eu sei que usas o lenço por causa das otites desde que eras a minha “coisinha”.

Papéis e filhos à nora connosco numa segunda vida. Conheço-te. O poeta não conhecia Leonor. Agarras a carteira e a mesada da nossa mais nova que opera o coração dos outros. Que um dia ela me calhe numa urgência e me corte a veia que te sabe os medos. Não sou poeta e tenho dois olhos inteiros cegos de não te inventar. Faltou-me? Inventar –te-me?

O teu xadrez a correr na Judiaria dá-me pavor de fugires na minha segunda oportunidade de cheirar o teu lenço a vento, laca e tinta. Meu Amor. Esse o teu nome, não o assobio nem a chamada do Expresso para a terra.

<mil caracteres de nuno f. santos a partir da imagem das ‘memórias’ de paulo pimenta>