Alice Joana Gonçalves: “a exposição absoluta e frágil define o que faço”

Artes Performativas

 

Alice Joana Gonçalves. Um nome comprido de três ou uma foto de perfil atraente na rede? Alice Joana Gonçalves estreou recentemente Swimming Pool. Na imagem duas mulheres próximas, dois corpos, duas caras. Intimidade. Alice Joana Gonçalves acordou de manhã hoje 30 de Setembro de 2015 e aceitou, ainda numa distância relativa, entrevista em chat de facebook para as 15h00. Entre coisas vai-me contando de que é feita. Artista plástica, artista visual, bailarina, performer., coreógrafa. Eu com medo nas respostas em forma de pergunta dela quando não está a perceber bem o grau de intimidade que quero ir com a entrevista, embora curta. E daí a estupidez de me mostrar e me envergonhar, começando a falar mais de mim do que deveria (que isso não se faz) como se isso interessasse, como o Herman José quando entrevista alguém. Senti um blind date sem som. Alice Joana Gonçalves… sim, nasceu em 1986 e concordou em deixar que esta entrevista fosse colocada em estado bruto, quase sem emendas, com a minha estupidez e alguma estranheza dela dentro. Gosta de coisas rudes e por isso concorda. Alice Joana Gonçalves…
alice joana

<Nuno F. Santos Cash/ TKNT> Alice Joana Gonçalves…. Performer e Artista Plástica numa só? A mesma coisa? Sendo que Bailarina, a que interpreta é o veículo  da performer/ artista plástica?
<Alice Joana Gonçalves> O corpo é o instrumento que utilizo ! Antes na dança e como coreógrafa e agora mais nas artes visuais.

<TKNT> Swimming Pool como foi? É o caminho onde estás agora?
<AJG> Swimming Pool foi a minha última criação performativa…

<TKNT> Exacto… pergunto se correu exactamente como querias, se é esse o caminho…. a tua própria reacção… se é possível isso.
<AJG> Swimming Pool foi um início uma experiência … Que também em si já é um resultado !!! Faria sentido para mim aprofundar esta experiência…
swiming pool

<TKNT> Desculpa insistir no espectáculo mas… como é o mais recente…. o que querias aprofundar… vi dois corpos nas imagens… não vi ao vivo. Quem são ou o que são aqueles dois corpos? E Swimming Pool é das frases mais procuradas em tantas coisas, parece uma cena erótica… digo eu que assumo de novo que não vi mas que… gostava de descrever essa tua experiência a fundo

<AJG> Bom, o meu trabalho é real e com isto quero dizer que acompanha a minha vida íntima. Então, este Swimming Pool parte de uma convivência mais aprofundada com uma mulher … Que fez sentido quando observei três meninas brincando numa piscina insuflável … As meninas arranham, puxam os cabelos, tocam-se , riem e choram muito… Creio que a iniciação sexual das meninas se faz a partir destas experiências! Mas, principalmente, é algo que é transversal a esta performance, a todas as minhas performances e às mulheres… e que é a tensão !
swimming pool 2

<TKNT> Assumes um género… ou somos de todos os géneros? O corpo é corpo, é descoberta?
<AJG> Género como ?!?

<TKNT> Género heterossexual, homossexual por aí fora? Género mesmo! Porque o erotismo parece estar…

<AJG> A minha opção sexual ?!? Apaixonada
sempre de um lado só.

<TKNT> Por que achas, se achas, que o corpo da mulher tem mais efeito na sua plasticidade, na sua imagem?
<AJG> Sou verdadeiramente apaixonada por homens, gosto de ser tudo o que é extensão natural de uma fêmea: dominadora, romântica apaixonada imprevisível

<TKNT> Imprevisível, algo que eu enquanto homem não sei ser (talvez noutro estado) e assusta-me tanto a mulher que é segura e imprevisível? Oxalá me assustassem todas (seria bom sinal)
Smile emotion 🙂
<AJG>Não obstante e por isso mesmo acredito que a mulher é o ser mais poderoso

<TKNT> Pela imprevisibilidade?
<AJG> Consegue tudo porque o seu poder de entrega é absoluto.
alice hunting

<TKNT> Começaste com o movimento como qualquer menina? Ou seja… a dançar?
<AJG> Sim, exactamente. Pela consciência do corpo.

<TKNT> Posso olhar para ti e diferenciar a artista plástica da bailarina performer?
<AJG> Não.  Está tudo misturado, bem embrulhado emocionalmente.

<TKNT> E a visual? E a Alice? 
<AJG>Essa está mais que embrulhada. A minha vida privada é a minha arte.

<TKNT> Posso dizer uma coisa?
wow foda-se!

<AJG>… Não há um fim nem um princípio.
<AJG>Sim ?! Porquê ?

<TKNT> Já disse! Porque gostei e porque faço o mesmo e as pessoas chamam-me louco e romântico. Então crio camadas e heterónimos quase… mas eu não sou artista.
<AJG> Não tenho essas máscaras

<TKNT> Sou apenas cantor, escritor, poeta, jornalista que não é já jornalista e inventor de TV acho
<AJG>A exposição absoluta e frágil é o que define o que faço…

alice

<TKNT>E amo assim… mesmo que esteja de pantufas e mais gordo… é assim nessa fragilidade que me parto todo

<AJG> Gosto das consequências e que as coisas tenham sempre consequências
<TKNT> Eu também, até para que as pessoas achem belo o meu sofrimento e até eu… até ele passar porque não o aguento. (isto não é sobre mim, isto não é sobre mim, isto não é sobre mim)

<TKNT> E quando envelheceres ? Quando engordares?
<AJG> Bom, isso fará parte de igual forma. A minha arte vive e evolui comigo.

<TKNT> É arte do corpo ou o corpo em arte? Corpo sempre com alma, entenda-se.
<AJG>Não tenho resposta a essa pergunta. Um corpo em si, sem intenções não vale de muito … Mas um corpo orgânico biológico intencional!

<TKNT> Como quando beijamos a nossa própria mão e não sentimos nada?
<AJG> Exacto.

<TKNT> És uma pessoa erótica? Pergunto isto e explico. Na arte, a tensão na mulher e no corpo…
<AJG> Sou uma pessoa muito muito emocional e pouco racional. Vivo do que sinto e movo-me por intuição e sedução.

<TKNT> Nasceste em 1986, certo?
<AJG> A racionalidade e a instrução fazem muito pouco parte da minha vida … Talvez só nos aspectos mais práticos dela. 
Nasci em 1986

<TKNT> Manténs inconscientemente uma linha niveladora da tua performance?
<AJG> Não percebi a pergunta da linha. Acho que cada um procura o que precisa

<TKNT> Pareces-me alguém, que ama sem limites, que vive sem limites, que sofre sem limites
<AJG> Sim, sou muito profunda nas coisas que vivo. Gosto de sê-lo. Os limites existem sempre… ou porque o espaço não é como queria ou não tens o tempo necessário. Mas tento sempre, para lá das condições que tenho, ser livre.

<TKNT> Lembras-te da primeira vez que dançaste? Onde foi? Vives onde?
<AJG> Não me lembro da primeira vez que dancei. Neste momento vivo em Lisboa , mas até há um um mês vivia há quatro anos no Porto… 

<TKNT> E antes dos quatro anos no Porto?
<AJG> Vivia em Coimbra. E Espanha.

<TKNT> Sempre a procurares-te ou era por razões familiares?
<AJG> Por muitas razões. Mas sempre pela paixão pela dança. Nessa época só sonhava com dança.

<TKNT> A agora sonhas com o quê? Com o quê para lá disso de seres tu embrulhada em performance visual, plástica? A palavra sonho é comum ou diriam muitos e nunca em entrevistas ou em conversas com não se conhece…. «foleira»?
<AJG> Não. Sonho é uma aspiração bonita. São desejos

<TKNT> Posso pôr Benjamin Clementine?
<AJG>?!?

<TKNT> Estava a pedir-te autorização para colocar uma música enquanto terminava a entrevista contigo? Benjamin….
<AJG>Não conheço

https://www.youtube.com/watch?v=a68KJWe_Tfk&list=PL6j_DM-mU1Bb8Sv06Tg18qpfj9srlUqSp

<TKNT> Estás a ouvir alguma coisa? A fumar, a tomar chá… estudar?
<AJG> Conheço sim! Não sou boa a decorar nomes
<TKNT> És boa a quê?
<AJG> Também sou  boa em criar distâncias. Sou boa na proximidade e na distância. Sim, sou muito descondensada… De extremos. Amo ou odeio. Quero ou não quero.

<TKNT> Alguma vez usaste dentro de ti ou para fora: “estás a invadir a minha privacidade“.
<AJG> Nunca disse isso!
<TKNT>Ferem-me todo quando o dizem mesmo que não seja comigo.

<TKNT> Quem foi o artista que te fotografou no caso?
<AJG> Dário Sambo
dario sambo

<TKNT> Está quase a acabar… já agora… uma música?
<AJG> Piano concerto n 2 Chopin
https://www.youtube.com/watch?v=T_GecdMywPw

<Nuno F. Santos Cash/ TKNT> Obrigado, Gostei muito da entrevista… ando neste momento a ficar sem chão com todo o meu amor e tesão a perderem-se de mim e eu a sofrer as consequências… a tentar perceber se vale mais a paz do que a beleza das palavras e do que faço… a tentar perceber que o que faço de melhor e que também é isto e e pedir 5 euros às pessoas num crowdfunding amador… ( E sinto que ela já está a ser boa na distância. Não lhe conheço a voz.) Registo do que ficou abaixo tal qual para quem não apaga as conversas nem desactiva janelas.

Fim da conversa de chat
<Fotos> Swimming Pool, Notre Damme por Julião Sarmento, Dário Sambo